:: Blog da Reeleição .:. LULA 2006 ::: Entrevista - Tarso Genro

quinta-feira, abril 20, 2006

Entrevista - Tarso Genro

Trechos da entrevista de Tarso Genro para o site Terra Magazine:

Bolsa Família, Erradicação do Trabalho Infantil, todos esses programas explicariam em parte a sustentação do presidente?
Exatamente. São programas de salário mínimo, que tem uma importância extraordinária num país como o nosso; o Pronaf, para a pequena agricultura, a agricultura familiar...

Quantos milhões de brasileiros esse conjunto de programas atinge?
Se você coloca a bolsa família, Pronaf, salário mínimo, seguramente isso atinge em torno de 50, 60 milhões de pessoas, porque só o bolsa-família atinge 30 milhões. As pessoas começam a estabelecer uma identidade com o Estado: o Estado está me olhando e eu olho o Estado e vejo quem está lá em cima, uma pessoa igual a mim, diz o assalariado de renda baixa ou diz o excluído...

Nessas eleições vamos viver o "ano do ódio"?
A tentativa vai ser essa, de determinado setor extremista da oposição transformar o ano eleitoral num ano de conflito agudo, que leva para a irracionalidade na disputa política. Temos que fazer o contrário, diluir essas relações de conflito ou de uso e politizar o debate em direção à questão programática, em direção às questões do futuro do país.

De que forma?
Um exemplo concreto: dizem que a estabilidade conseguida pelo governo Lula é a mesma conseguida pelo governo Fernando Henrique. Se fosse, o nosso trabalho teria sido em vão porque aquela é totalmente precária. Nós sustentamos que não é a mesma, que a nossa tem base sólidas e dá sustentabilidade a um processo de crescimento econômico estável, com taxas de crescimento que devem chegar a quatro e meio, cinco por cento a partir de agora. A reforma agrária...

Sim, e a reforma agrária?
...ela não é só uma questão econômica, é uma questão social. E mesmo não sendo uma questão econômica grave para o Brasil de hoje - que está muito bem, sim senhor, nas exportações - a reforma agrária não deveria ser feita por um motivo de natureza social? Para permitir que as grandes cidades parem de inchar com os deserdados do campo?

Mas essa é uma questão que andou muito pouco nesse governo...
Caminhou menos do que gostaríamos, certamente, por uma série de atributos inclusive de natureza legal que temos e somos obrigados a respeitar e, então, as coisas são muito mais lentas. Mas não houve nenhuma desistência, nenhuma interrupção nos programas de reforma agrária que começaram no primeiro ano.

Parece haver um ator principal em tudo isso, que discute pouco sobre si mesmo. Eventualmente vejo o senhor tocando no assunto: a mídia.
Não mudei minha opinião sobre a mídia depois que fui prefeito de Porto Alegre, e nem depois que fui e sou ministro do governo Lula. A mídia reflete necessariamente as tensões, as opiniões, as divergências e os conflitos que estão na sociedade, conflitos que a mídia reproduz segundo a visão de democracia, a visão política que têm aqueles que detêm o poder de formar opinião dentro da mídia.

O senhor pensa...
...não acho que a mídia brasileira, como alguns colunistas escreveram que eu teria dito, é conspirativa, que ela integra um movimento golpista da oposição. Eu não penso isso, nunca pensei. O que acho é que exatamente por dentro da mídia passa a luta de partidos, passa a luta política, e que não existe uma mídia neutra. A mídia externa um determinado ponto de vista.

Qual seria?
Ora, ela externa majoritariamente numa direção ora noutra direção. No momento atual ela externa fundamentalmente os movimentos e as denúncias que a oposição faz contra o governo. O que temos que fazer é processar isso politicamente e responder sem a ilusão de que aquilo que está vertendo por dentro da mídia é totalmente verdadeiro, ou sem a visão patológica de que existe um processo conspirativo. Agora, existe também uma espécie de blindagem dentro da mídia, como se ela não pudesse ser criticada, como se qualquer resposta que se desse à mídia, qualquer denúncia que se fizesse, fosse um ato autoritário. Por exemplo: alguns chegaram a dizer o absurdo de que eu defendia a existência de um conselho estatal para controlar opinião. A pessoa que diz isso, ou é muito mal informada...

Ou é muito bem informada...
Ou é muito bem informada, ela está lançando uma calúnia, uma informação errada que se transforma em calúnia, que é isso de me chamar de Stalinista.

Leia a entrevista completa

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home