:: Blog da Reeleição .:. LULA 2006 ::: Alckmin e a mídia

quinta-feira, outubro 05, 2006

Alckmin e a mídia

por Soninha

O governo de Geraldo Alckmin teve um altíssimo índice de aprovação.

Pra mim, esse é um dos maiores exemplos de como a "opinião pública" consiste, de fato, da "opinião publicada". As pessoas enxergam muito do mundo sob o prisma do que sai na mídia, e acabam tomando para si a opinião dominante nos meios de comunicação. E os meios de comunicação - não sei o quanto é assim nos outros estados - são incrivelmente omissos ou brandos quando falam do governo estadual de São Paulo. Já escrevi um milhão de vezes e dei exemplos de como o noticiário sobre os problemas da Febem rarissimamente sai associado ao governador; as escolas de lata do município são alvo de mil denúncias, enquanto o estado fica lá quietinho com as dele; os problemas na rede estadual de saúde nunca vêm com o carimbo do governo Alckmin... É capaz de sobrar para o presidente, mas o governador não é cobrado de nada! Não chega nele!

Entre tantos outros casos, selecionei uma notícia de algumas semanas atrás para demonstrar minha tese:

"No Mundial feminino de basquete marcado pelo fim da hegemonia norte-americana e pelo inédito título da Austrália, a organização deixou a desejar.Goteiras na quadra, baixa divulgação e públicos irrisórios na primeira fase foram alguns dos motivos que levaram a Fiba (Federação Internacional de Basquete) a se decepcionar com a estrutura brasileira.Prestes a acolher o Pan de 2007 e candidato a sede da Olimpíada e da Copa do Mundo de futebol, o Brasil falhou em um torneio que poderia servir de teste para novos eventos.Pelo menos é essa a opinião de Patrick Baumann, secretário-geral da Fiba. "O Brasil quer organizar outros campeonatos de maior porte, como a Olimpíada. Mas, desse jeito, não vai conseguir", vaticinou ele, em entrevista à Folha.Apesar das pesadas críticas que desferiu à organização do Mundial paulista, Baumann também fez um mea-culpa. "Talvez eu tivesse que ter sido mais duro com a organização antes do início do Mundial."

Pois bem: a história das goteiras foi um escândalo. Jogadoras escorregavam na quadra e corriam o sério risco de se machucar. Todo mundo comentou o vexame. O veredicto: "o Brasil falhou". "O Brasil"!? POR QUE ninguém diz que o Ibirapuera é do governo do estado? Que, depois de doze anos de governo, os equipamentos esportivos estão em petição de miséria?

É incrível. Nenhum homem público no Brasil conta com a imunidade do Alckmin na mídia. E não acho que seja por interferência dele, não. É um fenômeno, fora de brincadeira. De repente, fazer papel de Chuchu tem essa vantagem.

http://gabinetesoninha.zip.net/

3 Comments:

At 5/10/06 23:27, Anonymous Anônimo said...

esse texto de Rubem Alves retrata a cara do Povo que vota em Lula


Ganhei coragem

Ganhei coragem

“Mesmo o mais corajoso entre nós só raramente tem coragem para aquilo que ele realmente conhece“, observou Nietzsche. É o meu caso. Muitos pensamentos meus, eu guardei em segredo. Por medo. Albert Camus, ledor de Nietzsche, acrescentou um detalhe acerca da hora quando a coragem chega: “Só tardiamente ganhamos a coragem de assumir aquilo que sabemos“. Tardiamente. Na velhice. Como estou velho, ganhei coragem. Vou dizer aquilo sobre que me calei: “O povo unido jamais será vencido“: é disso que eu tenho medo.

Em tempos passados invocava-se o nome de Deus como fundamento da ordem política. Mas Deus foi exilado e o “povo“ tomou o seu lugar: a democracia é o governo do povo... Não sei se foi bom negócio: o fato é que a vontade do povo, além de não ser confiável, é de uma imensa mediocridade. Basta ver os programas de televisão que o povo prefere.

A Teologia da Libertação sacralizou o povo como instrumento de libertação histórica. Nada mais distante dos textos bíblicos. Na Bíblia o povo e Deus andam sempre em direções opostas. Bastou que Moisés, líder, se distraísse, na montanha, para que o povo, na planície, se entregasse à adoração de um bezerro de ouro. Voltando das alturas Moisés ficou tão furioso que quebrou as tábuas com os 10 mandamentos. E há estória do profeta Oséias, homem apaixonado! Seu coração se derretia ao contemplar o rosto da mulher que amava! Mas ela tinha outras idéias. Amava a prostituição. Pulava de amante a amante enquanto o amor de Oséias pulava de perdão a perdão. Até que ela o abandonou... Passado muito tempo Oséias perambulava solitário pelo mercado de escravos... E que foi que viu? Viu a sua amada sendo vendida como escrava. Oséias não teve dúvidas. Comprou-a e disse: “Agora você será minha para sempre...“ Pois o profeta transformou a sua desdita amorosa numa parábola do amor de Deus. Deus era o amante apaixonado. O povo era a prostituta. Ele amava a prostituta. Mas sabia que ela não era confiável. O povo sempre preferia os falsos profetas aos verdadeiros, porque os falsos profetas lhes contavam mentiras. As mentiras são doces. A verdade é amarga. Os políticos romanos sabiam que o povo se enrola com pão e circo. No tempo dos romanos o circo era os cristãos sendo devorados pelos leões. E como o povo gostava de ver o sangue e ouvir os gritos! As coisas mudaram. Os cristãos, de comida para os leões, se transformaram em donos do circo. O circo cristão era diferente: judeus, bruxas e hereges sendo queimados em praças públicas. As praças ficavam apinhadas com o povo em festa, se alegrando com o cheiro de churrasco e os gritos. Reinhold Niebuhr, teólogo moral protestante, no seu livro O homem moral e a sociedade imoral observa que os indivíduos, isolados, têm consciência. São seres morais. Sentem-se “responsáveis“ por aquilo que fazem. Mas quando passam a pertencer a um grupo, a razão é silenciada pelas emoções coletivas. Indivíduos que, isoladamente, são incapazes de fazer mal a uma borboleta, se incorporados a um grupo, tornam-se capazes dos atos mais cruéis. Participam de linchamentos, são capazes de pôr fogo num índio adormecido e de jogar uma bomba no meio da torcida do time rival. Indivíduos são seres morais. Mas o povo não é moral. O povo é uma prostituta que se vende a preço baixo. Meu amigo Lisâneas Maciel, no meio de uma campanha eleitoral, me dizia que estava difícil porque o outro candidato a deputado comprava os votos do povo por franguinhos da Sadia. E a democracia se faz com os votos do povo... Seria maravilhoso se o povo agisse de forma racional, segundo a verdade e segundo os interesses da coletividade. É sobre esse pressuposto que se constrói o ideal da democracia. Mas uma das características do povo é a facilidade com que ele é enganado. O povo é movido pelo poder das imagens e não pelo poder da razão. Quem decide as eleições – e a democracia - são os produtores de imagens. Os votos, nas eleições, dizem quem é o artista que produz as imagens mais sedutoras. O povo não pensa. Somente os indivíduos pensam. Mas o povo detesta os indivíduos que se recusam a ser assimilados à coletividade. Uma coisa é o ideal democrático, que eu amo. Outra coisa são as práticas de engano pelas quais o povo é seduzido. O povo é a massa de manobra sobre a qual os espertos trabalham. Nem Freud, nem Nietzsche e nem Jesus Cristo confiavam no povo. Jesus Cristo foi crucificado pelo voto popular, que elegeu Barrabás. Durante a Revolução Cultural na China de Mao-Tse-Tung, o povo queimava violinos em nome da verdade proletária. Não sei que outras coisas o povo é capaz de queimar. O nazismo era um movimento popular. O povo alemão amava o Führer. O mais famoso dos automóveis foi criado pelo governo alemão para o povo: o Volkswagen. Volk, em alemão, quer dizer “povo“...

O povo unido jamais será vencido! Tenho vários gostos que não são populares. Alguns já me acusaram de gostos aristocráticos... Mas, que posso fazer? Gosto de Bach, de Brahms, de Fernando Pessoa, de Nietzsche, de Saramago, de silêncio, não gosto de churrasco, não gosto de rock, não gosto de música sertaneja, não gosto de futebol (tive a desgraça de viajar por duas vezes, de avião, com um time de futebol...). Tenho medo de que, num eventual triunfo do gosto do povo, eu venha a ser obrigado a queimar os meus gostos e engolir sapos e a brincar de “boca-de-forno“, à semelhança do que aconteceu na China.

De vez em quando, raramente, o povo fica bonito. Mas, para que esse acontecimento raro aconteça é preciso que um poeta entoe uma canção e o povo escute: “Caminhando e cantando e seguindo a canção...“ Isso é tarefa para os artistas e educadores: O povo que amo não é uma realidade. É uma esperança.

(Folha de S. Paulo, 05/05/2002)

 
At 6/10/06 15:41, Anonymous Anônimo said...

Hammm, estes estão de lua de mel, afinal ambos gostam de dividir o "pão".

 
At 10/10/06 23:19, Blogger Humberto Capellari said...

Primo rico e primo pobre nas eleições 2006

É animador constatar que o Brasil vive uma "febre" de busca incessante pela ética e moralidade. Desvios de conduta na vida pública não serão mais tolerados e sim, punidos.
A vanguarda nessa busca, como não podia deixar de ser, é a classe média paulistana, portadora de reputação ilibada quando o assunto é o bem comum e o interesse coletivo.Ora, isso é comprovado pelos números do primeiro turno das eleições.
Nos bairros de Indianópolis e Jardim América, para dar dois exemplos apenas, os candidatos Serra e Alckmin conseguiram amealhar cerca de 70% dos votos destes locais, para os cargos os quais disputam.
O recado é claro:
Os auto-intitulados "cidadãos de bem" exigem a maior lisura e "qualidade ética" nas relações sociais e políticas, e o mero fato de Paulo Maluf ter sido eleito de forma avassaladora, não configura fraqueza, obstáculo ou contradição.
Prova disso é que, no 2º. turno, estes privilegiados nos campos moral e material comparecerão às urnas devidamente munidos de certidão negativa emitida pela Receita Federal, atestando seu compromisso ético e tributário. Alguns, mais afoitos, portarão as guias do INSS que comprovam que os recolhimentos e contribuições devidas estão em dia. Exemplo a ser seguido.
Para ficar apenas nos dois bairros referidos acima: se caso pudéssemos ver os votos destes eleitores, quantos deles não teriam contribuído para a consagradora eleição do - carinhosamente chamado - "nefasto" ?

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home