:: Blog da Reeleição .:. LULA 2006 ::: A elite não é branca, é podre, doutor Bolívar

sexta-feira, maio 19, 2006

A elite não é branca, é podre, doutor Bolívar

Por Renato Rovai

A elite se pôs de pé e fez beicinho nos jornais de hoje à surpreendente entrevista do governador Cláudio Lembo à Folha de S. Paulo de ontem (18/5). Desde a personagem Odete Roitman, menos conhecida como Beatriz Segall, passando pelo primeiro-sociólogo do sociologismo tucano, Bolívar Lamounier, até chegar no ex da Carola, a princesa da Casa dos Artistas, aquele tal de Chiquinho Scarpa.

Mesmo com um sociólogo entre os ofendidos foi o ex-Carola quem melhor resumiu o sentimento da elite: “Se cada um voltasse para o seu estado, tudo funcionaria. O problema é que 80% dos votos para presidente são de São Paulo – e os nordestinos votam errado”. Pois é, entenderam?

O ex-Carola nem sabe direito o que está falando. Fala de porcentagem e pelo resultado da matemática percebe-se que mal sabe fazer conta de mais e menos. Mas não erra no alvo. Quer segregação. Quer que os nordestinos pobres (evidente, os ricos podem ficar), voltem para sua terra. Saiam daqui.


É dessa elite, oh Bolívar, que tratou um pouco na entrevista de ontem o governador Lembo. É dela que tratamos nós.

Mas o primeiro-sociólogo do sociologismo tucano prefere a retórica academicista barata: “A elite virou explicação para tudo no Brasil, de bicho-de-pé à dor no fígado. Tudo é culpa da elite”. Não, cara pálida, a culpa é dos nordestinos, como disse o seu colega, o ex-Carola. Ou pode ser culpa de preto, de favelado, de analfabeto, dos aposentados do INSS, das crianças do farol. Ou ainda dessa gente estúpida que fica clamando por direitos humanos ao invés de ir cuidar da vida.

Ou então, doutor Bolívar, podemos dizer que a culpa é de ninguém, do destino ou dos marcolas de aluguel. Esses atuais capitães do mato de uma sociedade que não tem escravos só pretos, mas onde eles ainda são imensa maioria da senzala moderna.

E se o doutor fica aturdido e resmunga, “ao enfiar o assunto branco-preto no meio foi ainda mais infeliz”, comentando a entrevista do governador, queria lhe dizer que até agora a secretaria de segurança pública se nega a entregar o nome dos 107 “suspeitos” mortos nesses 7 dias da guerra de São Paulo.

O doutor, ao invés de beicinhos para defender a elite, poderia perguntar disso.Se tiver dúvida, lhe adianto. Não vou meter o assunto de branco-preto no meio. Até porque ele é quase todo preto. Dos 107, quantos brancos teremos? Quantos moram nos Jardins? Quantos estudam na USP?

Como muitos que se proclamam sociólogos nunca caminharam a pé nem pela Praça da Sé, vou contar uma historinha relatada num telefonema de um amigo na tarde de ontem.

No começo da noite de anteontem (17/5) dois jovens pretos, que moram na zona Leste, num bairro menos afastado do que São Matheus, onde aconteceu a chacina dos três metalúrgicos, do mecânico e do garoto que segunda começaria a trabalhar no Habib´s foram a um supermercado.
Um dirigia a moto, outro na garupa. De repente, uma blitz. Como sabem os paulistanos, temos tido dias frios nesta semana. Um dos jovens, o que dirigia, além do capacete, estava com aquele gorro de motoqueiro para se proteger do frio. Pronto, tornarem-se suspeitos. Por sorte, pelo destino ou pelo sei lá o quê, escaparam. Depois de uma humilhante revista e de mil e um xingamentos, puderam ligar a moto e voltar para casa

É assim que se escolhem os suspeitos. Basta ser preto, nordestino, pobre, estar de moto ou carro velho. Se tiver de boné ou gorro então... Não é de se estranhar que o primeiro-sociólogo do sociologismo tucano não demonstre nenhuma indignação quanto ao assassinato dos 107 “suspeitos”. Afinal, está preocupado com a injustiça que está atingindo a moral de sua tropa, a tal elite.

Ontem o governador Lembo deu mais uma entrevista. Dessa vez para o jornalista Bob Fernandes. Está publicada no site Terra Magazine (http://terramagazine.terra.com.br). Ele reafirma tudo que disse à Folha sem tergiversar. Ótimo. Como, já dito aqui, se assim é, concordamos, governador. E concordamos mesmo. Agora, vai ser preciso mais do que o discurso. É hora de fazer algo para impedir que as ruas da periferia de São Paulo deixem de ser campos de concentração.

A polícia precisa estar a postos. Precisa estar alerta. Precisa enfrentar o crime organizado, que não é algo que se resolve só com combate à injustiça social. Mas os jovens pobres não podem ser tratados como bandidos. E o secretário de Segurança Pública, “aquele menino do Alckmin”, como prefere FHC, tem que respeitar o Estado de Direito.

A lista com o nome dos 107 “suspeitos” precisa ser entregue à imprensa. Precisa ser apresentada à sociedade. Que maluquice é essa? De onde esse Saulo de Castro tirou essa de que vai entregar a lista no “momento oportuno”. Para impedir que seu governo chegue ao fim com a pecha de governo-assassino, o governador Lembo terá de enfrentar a turma que no comando da segurança pública de São Paulo desde a saída de José Afonso da Silva, levou São Paulo ao domínio do medo.
http://www.revistaforum.com.br/vs3/artigo_ler.aspx?artigo=07777056-69d5-40eb-800f-a9f253dedc10

O Sr Bolívar, além de não merecer o digno sobrenome, tem a capacidade de conseguir atingir um nível de estupidez maior que o do playboy Chiquinho Scarpa. Esse último pelo menos demonstrou sinceridade ao revelar o mais profundo sentimento de toda elite branca paulistana. Branca, sim. Que eu saiba nossa elite não é negra, nem mulata. Mas o "sociólogo" (bota aspas nisso!) Bolívar acha uma bobagem esse negócio de elite branca. Tá bom então.

A desonestidade intelectual do Sr Bolivar é tanta que ele chegou ao cúmulo de eximir a elite de culpa pela situação da violência no país. Ora bolas, de quem será a culpa então? Por um acaso foram os pobres que comandaram a nação por 500 anos? Ou será que a culpa é do Saci Pererê ou da Mula -sem cabeça?

Faça-me o favor, Sr Bolivar.

João

1 Comments:

At 19/5/06 16:30, Anonymous Luciana C. said...

Muuuito bom texto!
Gostaria de expressar apenas a falta que senti da famosa musa do PSDB e da Rede Globo, também conhecida como Regina "tenho medo" Duarte... talvez ela não estivesse em São Paulo para dar entrevistas...

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home