:: Blog da Reeleição .:. LULA 2006 ::: O amor de meu voto

sexta-feira, outubro 20, 2006

O amor de meu voto

por Inácio França

Para se chegar a Olivedos de carro é preciso entrar à direita numa estrada de terra, 30 minutos depois de Campina Grande. Pouco mais de 3.300 pessoas vivem no município, a maioria em modestas casas construídas ao redor da pequena igreja matriz, pintada de amarelo. A caatinga que marca a paisagem dos Cariris Velhos, agreste paraibano, começa já no quintal das casas.
Numa viagem profissional às vésperas do feriado, passei algumas horas na cidade, tempo suficiente para cumprir a tarefa de acompanhar uma avaliação da gestão das políticas sociais do município. Tempo suficiente para as explicações racionais e ideológicas, que justificaram meu voto em Lula no primeiro turno, perdessem sentido.

Em Olivedos, pressenti que meu voto em Lula no segundo turno será um momento de intensa emoção. Um voto carregado de orgulho, um voto com amor. Isso tudo porque cheguei cedo à cidade, uma hora antes do previsto. Aproveitei, então para perambular pela cidade e conversar com algumas pessoas que participariam da reunião. Logo me chamou a atenção o movimento diante de uma casinha pintada de verde, na verdade, uma espécie de garagem, com apenas um cômodo. Em fila diante da garagem, alguns homens simples, ao lado de jumentos que carregavam nas laterais aquelas enormes garrafas de alumínio para transportar leite. Dentro do imóvel, um enorme tanque, da altura de um homem adulto, com uns aparelhos modernos e um painel digital, algo improvável numa casinha simples, cercada de mandacarus, xique-xiques, juremas e algarobas.

Uma senhora, que se apresentou como presidente da "associação",explicou que aquele tanque era refrigerado, garantia a conservação do leite até meio-dia, quando um caminhão de uma empresa levava o alimento para a fábrica, em João Pessoa. Com a venda do leite, cada um dos pequenos criadores, donos de minúsculos lotes de terra e três ou quatro vacas, fatura até R$ 550,00 por mês. Até o ano passado, a principal fonte de renda dessas pessoas era o dinheiro da aposentadoria, um salário-mínimo, recebido geralmente pela pessoa mais velha da família.
Antes, esses criadores só tinham uma saída: percorrer a cidade em seus jumentos, vendendo diretamente para os moradores da cidade por R$ 0,30 cada litro. Às 10h, por causa do calor, o leite começava a estragar. O desperdício era grande. Hoje, a empresa paga R$ 0,70 por litro, dos quais R$ 0,05 fica na associação para pagamento dos impostos e do salário do rapaz que recebe o leite e faz os exames para controlar a pureza do alimento, antes de colocá-lo no tanque refrigerado.

O tanque foi comprado com recursos do micro-crédito de um programa do Ministério do Desenvolvimento Agrário. O rapaz aprendeu a testar a pureza do leite num curso na capital, pago com recursos federais. Na mesma rua da garagem onde funciona a cooperativa de leite, está a Escola de Ensino Fundamental Monsenhor Stanislaw. Orgulhosa, uma funcionária da prefeitura me leva para conhecer as obras do auditório da escola, que está sendo construído no lugar de um galpão cujo teto já ameaçava os alunos. A obra também parece improvável naquela cidade: o auditório terá capacidade para 300 pessoas, 10% da população da cidade, e está sendo construído em forma de anfiteatro, com poltronas confortáveis que já chegaram e estão guardadas, prontas para serem instaladas. "Quando o auditório, ficar pronto os meninos da banda de pífanos e do coral vão ter onde se apresentar", antecipa a funcionária.

Perguntei de onde veio o dinheiro, a senhora se espantou, respondendo quase indignada com tamanha ignorância: "do Ministério da Educação". Mais adiante, buracos abertos no calçamento de paralelepípedos, na área em torno do colégio. A funcionária, grávida de oito meses, informou que aquelas eram obras do saneamento e da rede de esgotos. Segundo ela, até o final de 2007, Olivedos estará 100% saneada. Antes que eu fizesse mais outra pergunta besta, ela foi logo dizendo que o dinheiro veio do Ministério das Cidades.

Á tarde, depois da avaliação, se desculparam porque eu não poderia conhecer o prefeito. "Josa (esse é o apelido do prefeito Josimar) foi em João Pessoa assinar um convênio para conseguir mais cisternas e banheiros pro pessoal da zona rural". O convênio foi assinado na Fundação Nacional de Saúde, que já custeou a construção de dezenas de outras cisternas e banheiros que funcional com água da chuva, captada por calhas, assim como as cisternas.

A caminho do Recife - onde vivo a mercê do noticiário da TV e da ótica de amigos que recebem salários razoáveis, vivem em apartamentos como o meu, com banheiros confortáveis, em ruas asfaltadas de classe média e filhos estudando em imensos colégios particulares - avaliei o quanto esses Brasis não se relacionam, não se conhecem. Compreendi o tamanho do abismo que nos separa e quanto está sendo feito para reduzir essa distância. E entendi os motivos do ódio e da mobilização daqueles que sempre tiveram livre acesso ao dinheiro que corre nas veias do Governo Federal.

Mais do que saber a origem do dinheiro, o que as elites brasileiras querem mesmo é mudar o destino do dinheiro. Afinal, para assegurar crédito para latifundiários e empresários (que nunca pagam o que conseguem nos bancos públicos), é necessário deixar de lado a construção de mais cisternas, novos auditórios em escolas sem estrutura, rede de esgotos e a ajuda para cooperativas de leite.

Mas, finalmente, compreendi porque os moradores de Olivedos se referem ao presidente da República como alguém da família. Luís Inácio Lula da Silva, para os olivedenses, é o "nosso Lula". O governo Federal está tão perto que o presidente é íntimo de todos eles.

Inácio França, jornalista, de Recife.

2 Comments:

At 20/10/06 15:27, Blogger zanuja said...

Gostaria Inácio, q vc publicasse essa matéria em algum jornal aqui do Recife p q as pessoas tomassem conhecimento do q é feito e realizado pelo Governo do Lula. Eu só sei das coisas através da internet, já q o JC e DP copiam as matérias dos jornais de S.Paulo, e, como esses jornalões só metem o pau no Lula...

 
At 20/10/06 18:08, Anonymous Anônimo said...

Prezado Inácio,

Seu relato sobre a singela Oliviedos provocou as mais felizes lágrimas de emoção que derramei nos últimos anos. Sou um Oficial de Justiça e trabalho na minha cidade, no interior da Bahia. Antes de assumir este cargo, após 1 ano e três meses desempregado, por pura perseguição polícia, o resultado das eleições de 2004 me garantiram uma possibilidade de trabalho na prefeitura local onde pude trabalhar no cadastramento do Bolsa Família. Já neste trabalho, comecei a entender infimamente o que significa este programa para o meu povo. Hoje porém, como Oficial de Justiça, tenho em maior dimensão este significado.
Meu cotidiano mudou bastante. Ao invés de ficar num posto da prefeitura loal esperando as famílias comparecerem para se cadastrarem ou atulizarem seus cadastros, agora vou a todos os locais da comarca, no campo e na cidade e vejo de perto suas necessidades e vulnerabilidades. Além disso, acompanhando as audiências que ocorrem na vara criminal, percebo que mais 90% dos delitos cometidos aqui são patrocinados pela mais absoluta falta de políticas públicas que geram tanta exclusão social. Assim sendo, muitas pessoas podem escolher "livremente" entre o crime e a sobrevivência.
Embora muitos classifiquem o Bolsa Família como assistencialista, vejo neste programa, se bem gerido pelo município, um grande avanço e uma enorme possibilidade da diminuição da violência. Violência esta, que apesar de não ser filha da miséria, é em muito acolhida e acalentada por ela.
A última eleição municipal aqui nesse rincão baiano, celula do coronelismo carlista (grupo político de ACM),nos permitiu sair do século XV para o XVIII, ou seja, tivemos um pequeno avanço, no entanto ainda muito aquém do necessário. Oxalá o "nosso LULA", possa ter mais espaço em nosso meio para que possamos multiplicar ao máximo os exemplos de Oliviedo como também os de Pintadas - BA, que muito se assemelha aos relatos que fizeste sobre a singela cidade paraibana que nos decantaste em prosa com sabor dos mais doces e emocionantes versos de poesia romântico/patriótica.

Vital Martinho - vitalmartinho@yahoo.com.br (Riachão do Jacuípe - Bahia)

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home